14.- FORA DA ESTANTE: QUESTÕES DE ARQUIVO E DE PRESERVAÇÃO DA LITERATURA DIGITAL

Rejane C. Rocha

Resumen


Resumo:
Este artigo dedica-se a refletir a respeito do arquivo e da preservação da literatura digital.
Para isso, percorre discussões relativas ao estatuto da efemeridade da cultura digital e de
como ele se confronta com as especificidades do literário, que coloca em xeque iniciativas
como a manutenção, a emulação, a adaptação e a recriação de obras, estratégias
museográficas voltadas à produção artística em mídia variável. Como conclusão, propõe a
ideia de “anarquivo”, conceito mais condizente com as características da arte e da literatura
do tempo presente. As reflexões aqui apresentadas são resultado do desenvolvimento do
Projeto de Pesquisa (CNPq) “Repositório da Literatura Digital Brasileira”.

Resumen:
Este artículo propone reflexiones sobre el archivamiento y la preservación de la literatura
digital. Para eso, hace un recorrido por las discusiones relacionadas al estatuto de la
fugacidad de la cultura digital y la manera como él se confronta con las especificidades del
literario, que pone en jaque iniciativas como la manutención, la emulación, la adaptación y
la recreación, estrategias museográficas utilizadas por la producción artística hecha en
mídias variables. Al fin, propone la idea de “anarchivo”, concepto más próximo de las
características del arte y de la literatura de nuestro tiempo. Las reflexiones acá presentadas
son resultado del desarrollo del proyecto de investigación subsidiado por CNPq (Consejo
Nacional de Investigación) “Repositório da Literatura Digital Brasileira”.

Abstract:
This article is dedicated to reflect on the archive and the preservation of digital literature.
For this, it goes through discussions related to the status of the ephemerality of digital
culture and how it confronts the specifics of the literary, which puts in check initiatives
such as the maintenance, emulation, adaptation and recreation of works, museographic
strategies aimed at production artistic in variable media. As a conclusion, he proposes the
idea of “anarchist”, a concept more consistent with the characteristics of art and literature
of the present time. The reflections presented here are the result of the development of the
Research Project (CNPq) "Repositório da Literatura Brasileira Brasileira".

Palabras clave


literatura digital, arquivo, preservação; digital literature, archive, preservation.

Texto completo:

PDF

Referencias


Aarseth, Espen J. Cybertext: perspectives on ergodic literature. The Johns Hopkins

University Press, 1997.

Arantes, Priscila. Re/escrituras da arte contemporânea: história, arquivo e mídia. 1. ed.,

Sulina, 2015.

Beiguelman, Giselle. “Reinventar a memória é preciso”. Magalhães e Beiguelman, p. 12-

CELL Project. http://cellproject.net/. Acesso em 18 set. 2020.

Chartier, Roger. O que é um autor? Revisão de uma genealogia. EDUFSCar, 2012.

Dekker, Anne. “Os desafios da conservação da net art: aceitação da perda e da

subjetividade”. Magalhães e Beiguelman, p. 66-78.

Even-Zohar. Itamar. Polisistemas de cultura: un libro provisorio. Universidade de Telaviv,

Garcia, Álvaro Andrade. Blogue – cultura digital, poiesis e work in progress – ateliê

ciclope – arte e publicação digital, https://www.ciclope.com.br/category/blognews.

Acesso em 4 set. 2020

Garramuño, Florencia. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética

contemporânea. Rocco, 2014.

Gobira, Pablo, org. A memória do digital: e outras questões de arte e museologia.

EDUEMG, 2019.

---. “Por uma preservação integral da obra de arte digital: anotações sobre arte tecnológica”.

RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 14, n. 3,

, p. 501–514.

Gobira, Pablo et al. “Instabilidade digital: a preservação e a memória da arte digital no

contexto contemporâneo”. Encontro Internacional de Arte e Tecnologia, n. 13,

, p. 13.

Hayles, Katherine. Literatura eletrônica: novos horizontes para o literário. 1. ed., UPF

Editora, 2009.

Hölling, Hanna. B. “Mídia transicional: permanência, recursividade e o paradigma da

conservação”. Gobira, A memória do digital, p. 37-50.

Klucinskas, Jean e Walter Moser. “A estética à prova da reciclagem cultural”. Scripta, v.

, n. 20, 2007.

Laddaga, Reinaldo. “Uma fronteira do texto público: literatura e meios eletrônicos”.

Literatura e mídia, organizado por Heidrun K. Olinto e Karl Erick Schollhammer.

PUC/Loyola, 2002, p. 17-31.

Lévy, Pierre. Cibercultura. 2. ed., Editora 34, 2008.

Ludmer, Josefina. “Literaturas pós-autônomas”. SOPRO 20: panfleto político-cultural,

, http://culturaebarbarie.org/sopro/n20.pdf. Acessado em 23 set. 2020.

Machado, Arlindo. Arte e Mídia. Zahar, 2007.

Managana. http://www.managana.org/editor/?community=sarria. Acesso em 8 out. 2020.

Manovich, Lev. El lenguaje de los nuevos medios de comunicación. Paidós, 2005.

Magalhães, Ana Gonçalves. “Considerações para uma análise histórico-crítica da

catalogação de acervos artísticos”. Magalhães e Beiguelman, p.34-45.

Magalhães, Ana Gonçalves e Giselle Beiguelman, org. Futuros possíveis: arte, museus e

arquivos digitais. FAPESP/Itaú cultural/EDUSP/Peirópolis, 2014.

Murray, Janet. Hamlet no Holodeck. UNESP/Itaú Cultural, 1997.

Paul, Christiane. “Os museus no passado e no futuro do pós-digital: materiais, mediação,

modelos”. Gobira, A memória do digital, p. 51-68.

Rocha, Rejane. “Literatura Digital”. Ribeiro et al., p. 80–84.

Ribeiro, Ana Elisa et al., org. Tarefas da Edição: pequena mediapédia. LED/Impressões de

Minas, 2020, http://www.letras.bh.cefetmg.br/wp-content/uploads/sites/193/2019/

/Tarefas-da-Edic%CC%A7a%CC%83o-arquivo-digital-07-10-20.pdf.

Salgado, Luciana Salazar. “Autoria”. Ribeiro et al., p. 40–44.

Seligman-Silva, Márcio. “Posfácio: Arquivo e coleção ou uma borboleta chamada

Miranda”. Arantes, p. 197-210.






INFORMACIÓN

La etapa de recepción de artículos ya está CERRADA para el periodo II-2021. Se reabrirá nuevamente en marzo de 2022.
Desde ya muchas gracias a todos los investigadores.

Saludos cordiales


Indizado en:

Licencia Creative Commons