Memória escolar e recepção crítica de João Antônio

Wagner Coriolano de Abreu

Resumen


Resumo:
O artigo apresenta uma recomposição da vida escolar do escritor João Antônio, período em que realiza os primeiros trabalhos literários e os publica no jornal Crisol. Igualmente, estabelece o itinerário poético traçado pelo escritor em entrevistas e no manifesto Corpo-a-corpo com a vida (1975), percorrendo o período entre a estreia com os contos de Malagueta, Perus e Bacanaço (1963) até os retratos literários reunidos em Dama do Encantado (1996). Por último, segue trabalhos críticos produzidos em resenhas, artigos de jornal e ensaios acadêmicos, visando as linhas de interpretação aplicadas à obra ficcional.
Palavras-chave: Formação escolar, João Antônio, crítica literária, narrativa brasileira.
Resumen:
El artículo presenta una recomposición de la vida escolar del escritor João Antônio, período en que realiza los primeros trabajos literarios y los publica en el periódico Crisol. Además, establece el itinerário poético trazado por el escritor en entrevista y en el manifiesto Corpo-a-corpo com a vida (1975), recorriendo el período entre la presentación de los cuentos Malagueta, Perus e Bacanaço (1963) hasta los retratos literarios reunidos en Dama do Encantado (1996). Por último, sigue trabajos críticos producidos en reseñas, artículos de periódicos y ensayos académicos, objetivando las lineas de interpretación aplicadas a la obra ficcional.
Palabras clave: Formación escolar, João Antônio, crítica literaria, narrativa brasilera.
Abstract:
The article presents a reconstitution of João Antonio´s school days, when he produces his first literary works and publish them in a newspaper called Crisol. It also determines the poetic itinerary draw by the writer in interviews and in the manifesto "Corpo a corpo com a vida" (1975), concerning the period in-between his first published book (Malagueta, Perus e Bacanaço, 1963) up to the literaty portraits assembled in Dama do Encantado (1996). Finally, the article follows critical works (from different perspectives) on João Antonio´s opus, including reviews, articles and academic essays.
Keywords: Educational background, J. A., literary criticism, Brazilian narrative.

Texto completo:

PDF

Referencias


Antônio,João. Malagueta, Perus e Bacanaço. São Paulo: Civilização Brasileira, 1963. Impreso.

----------. Leão-de-chácara. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975. Impreso.

----------. Malhação do Judas Carioca. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975. Impreso.

----------. Casa de loucos. Dois ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976. Impreso.

-----------. Lambões de caçarola: trabalhadores do Brasil! Porto Alegre: L&PM, 1977.

Impreso.

------------. Ô Copacabana! Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. Impreso.

-------------. Noel Rosa: seleção de textos, notas, estudo biográfico, histórico e crítico e exercícios. São Paulo: Abril Educação, 1982. Impreso.

------------. Abraçado ao meu rancor. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986. Impreso.

------------. Zicartola e que tudo mais vá para o inferno! São Paulo: Scipione, 1991. Impreso.

-----------. Patuleia: gentes da rua. São Paulo: Ática, 1996. Impreso.

-----------. Dama do Encantado. São Paulo: Nova Alexandria, 1996. Impreso.

------------. “Lambões do beco da onça (depoimento)". Correio do Povo nov. 1977: 10. Impreso.

Bosi, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. Impreso.

Cândido, Antônio. “Dialética da malandragem: caracterização das Memórias de um Sargento de Milícias”. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros 8 (1970): 67-89.Impreso.

Cândido, Antônio. “Na noite enxovalhada”. Remate de Males 19 (1999): 83-88.Impreso.

Castello, José. A arte de ser João. In Inventário das sombras. Rio de Janeiro: Record, 1999. 39-55. Impreso.

Cordovil, Cláudio. A arte tem dívida com a realidade. Jornal do Brasil, [Rio de Janeiro]. 8 jun. 1996: 8. Impreso.

Diaféria, Lourenço. Do Joãozinho ao João Antônio. Remate de Males 19 (1999): 57-64.Impreso.

Durigan, Jesus Antônio. João Antônio e a ciranda da malandragem. Org. Roberto Schwarz, Os pobres na literatura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1983: 214-218. Impreso.

Freitas Filho, Armando; Hollanda, H. B. de; Gonçalves, M. A. Literatura. Vol. 2. Anos 70. Rio de Janeiro: Europa, 1980. Impreso.

Gomes, Duílio. O fenômeno João Antônio. Correio do Povo, Caderno de Sábado [Porto Alegre]. 25 set. 1976: 2. Impreso.

Hohlfeldt, Antônio Carlos. “Pra lá de Bagdá. Antônio, João”. Os melhores contos. São Paulo: Global, 1986: 5-14. Impreso.

Laurito, Ilke Brunhilde. “João Antônio: o inédito”. Remate de Males, 19 (1999): 25-53. Impreso.

Lombardo, Edison Luiz. “A desmistificação do malandro em contos de João Antônio”. Itinerários, 4 (1991): 213-223. Impreso.

Macedo, Tânia Celestino. “João Antônio, cronista dos pesadelos de São Paulo”. Revista da Biblioteca Mário de Andrade 57 jan.- dez. (1999): 41-46. Impreso.

Magnoni, Maria Salete. João Antônio: paulista 1937 – 1996. Caros Amigos, São Paulo:Coleção Rebeldes Brasileiros, 2000. Impreso.

Medina, Cremilda. “Na corda bamba, a arte dos pingentes”. A posse da terra. O escritor brasileiro hoje. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 1985. 269-275. Impreso.

Oliveira, Ana Maria D. de e Pereira, Jane C. “João Antônio, esteta do popular”. Revista

Ciências & Letras, 34, jul.-dez. (2003): 143-150. Impreso.

Oliveira, Ana Maria Domingues de. “João Antônio, profissão escritor”. Patrícia Peterle, et. al. (org.) Escritura e sociedade: o intelectual em questão. Assis/SP:

UNESP - Publicações, 2006. 205-212. Impreso.

Oricchio, Luiz Zanin. “Eu queria mesmo era ser um homem sem profissão”. Entrevista com João Antônio. Muito , São Paulo, dez.- jan. (1999-2000): 20-27. Impreso.

Ornellas, Clara Ávila. “Aspectos iniciais da trajetória literária de João Antônio”. Via

Litterae 3, 1, jan.-jun. (2011):145-159. Impreso.

Paes, José Paulo. “Ilustração e defesa do rancor”. A aventura literária: ensaios sobre ficção e ficções. São Paulo: Companhia das Letras, 1990. 107-115. Impreso.

Pinheiro, Nevinha. “Um conto do mal e do bem: Paulinho Perna Torta”. Correio do Povo, Caderno de Sábado [Porto Porto Alegre], 3 set. (1977): 6. Impreso.

Ploegmakers, Ruud. “Frescuras do coração: a melancolia nos contos do submundo de

João Antônio”. Suplemento Literário do Minas Gerais, 971, 11 maio

(1985): 8-9. Impreso.

Polinésio, Júlia Marchetti. “O conto sócio-documental: João Antônio”. O conto e as

classes subalternas. São Paulo: Annablume, 1994, 135-150. Impreso.

Resende, Vânia Maria. O menino na literatura brasileira. São Paulo: Perspectiva, (Debates, 207).1988. Impreso.

Sant‟Anna, Sérgio. “O blablablá da ratatuia”. Veja 17 out. (2001):170-171. Impreso.

Silverman, Malcolm. “A multiforme (não) ficção de João Antônio”. Tra. João

Guilherme Linke. Moderna ficção brasileira 2: ensaios. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1981, 62-88. Impreso.

Steen, Edla Van. “João Antônio”. Viver e escrever, Vol. 1. Porto Alegre: L&PM, 1981.

-141. Impreso.

Zilly, Berthold. “João Antônio e a desconstrução da malandragem”. Chiappini, Ligia et

al. (Org.) Brasil, país do passado? São Paulo: EDUSP; Boitempo, 2000, 173-194. Impreso.

Zilberman, Regina. O espelho da literatura XXI 3,10 jan, (2001): 32-34. Impreso.






Indizado en:

Licencia Creative Commons